terça-feira, 26 de maio de 2009

Eu, você e uma rosa


Quando você abrir a porta olhe para nossa estante, e veja como nossas fotografias se empoeiraram sem você esses dias. Observe bem, meu bem, como o sofá está vazio sem nossos amassos, na cozinha você ainda encontra o prato que você deixou antes de partir, e nossa cama ainda esta com o mesmo lençol, para não perder o seu cheiro, para eu não me sentir só por esses dias. Mas olhe o jardim, meu anjo, veja a rosa que plantei, o quão bela ela é com a cor dos seus olhos. Plantei para ficar a lembrar da sua beleza, do seu cheiro e percebi que ao tempo que os espinhos cresciam, a dor da saudade se corroia aqui por dentro do meu peito, mas agora não mais, agora só me resta o azul da nossa rosa, o azul dos seus olhos e nós.

10 comentários:

  1. Os espinhos crescem a maneira que a saudade e os demais obstáculos impostos pela vida nos atingem, ou pelo menos, tenta.

    Lindo seu texto Sanmy jan!

    ResponderExcluir
  2. *_* até dói mesmo a saudade =/

    ResponderExcluir
  3. Ehhh saudade,
    oh paixão, pra curar essa doença,
    meu amor a recompensa, e o remédio,
    é o garrafãoooo (8)

    IUEHAOUIEHUAIHEIUAHEIUA



    mt bom o texto, e o azul nele.

    ResponderExcluir
  4. pelamores!
    cada dia que passa, me emociono mais com textos de blogs... são sempre tão apaixonados, como o seu texto ComiSanms!

    blog mara, again!
    ;)

    ResponderExcluir