terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Além do que se vê

(Foto de 25 de Janeiro de 2006 - 16 anos - passeio na Praia do Forte) 
Algumas vezes, para enxergarmos nossas mudanças e vencermos nossos medos, temos que ter a melhor compreensão de onde viemos. Porque nós somos feitos da luta diária, dos momentos felizes, das derrotas, das pessoas em nossa volta. Dessa maneira, podemos entender como a nossa existência pode ser melhor a cada dia que passa para todos que nos amam e para você mesmo.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Meu narrador

Eu sou o novo e o velho. O começo, meio e fim da minha história, da história da minha mãe, dos meus amigos e inimigos, até mesmo daquele desconhecido que cruza comigo no corredor do supermecado ou daquela que se esbarra comigo na balada e derrubamos o drink um do outro. Eu escrevo em linhas certas uma narrativa torta, cheia de tropeços, tentativas, acertos, vitórias, derrotas e dúvidas. Eu sou meu vilão, meu mocinho, meu super-heroi e meu personagem de animação. Sou responsável em me esquivar da tentação da maçã envenenada, da luxuria do espelho meu, do sopro do lobo ao derrumbar minha moradia e, até mesmo, do cripitonita que tentará me derrubar. Porque eu sou responsálvel pela minha salvação, pelos meus erros e acertos, pelo aprendizado e pela insignificância dos fatos, pelo mérito e pela culpa. Eu sou um narrador, narrador-observador e narrador-personagem de tantas histórias que, se forem contadas, será narrada somente uma: a vida na terra.

Um caminho em vários meus

Agora vou ficar bem quietinho, calminho no meu canto, observando e aprendendo, vivendo e me subestimando. Porque, da vida, eu quero plantar as experiências e colher aprendizados. Dessa vida eu quero todos os sorrisos, todas as lágrimas, os abraços e momentos de solidão. Desejo experimentar um turbilhão de emoções, sentir meu coração acelerar com a adrenalina do cotidiano e apaziguar minha alma em um final de semana aqui, alí ou lá. Eu preciso conhecer também um budista japonês, olhar nos olhos de uma mulher indiana, bater um papo com um velho da alemanha e conhecer a turbulenta vida de jovem norte-americano. Gostaria também de retornar aos lugares que um dia já vivi, para nunca esquecer de onde eu vim e o que tem me tornado, esse tempo todo, este ser humano que sou.



Pelo jeito eu não vou ficar quietinho. Eu vou alçar vôo, vou desvendar o mundo. Quero conquistar a humildade de enxergar as pessoas do jeito que elas são para entender que, as diferenças, na verdade, são uma soma de diversidade e me trará a pluralidade de uma vida cheia de energia, amor, liberdade e respeito.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Desaba(r)(far)

- Desabar: v.t e v.i. Derrubar, deitar abaixo, derrocar. - Desabafar: v.i. Manifestar o que sente ou pensa, desafogar-se.
Fundo branco, chao gelado. Maos tremulas e uma descarga eletrica em minha mente. Lagrimas, olhos avermelhados e a melhor musica para compor a atmosfera. Olho para o espelho e vejo algo a desmoronar. A descarga nao funcionou, o instante serviu somente para (des)organizar o estado emocional do eu (individuo). E quando a musica estava para acabar, eu colocava para escuta-la desde o comeco novamente, alias, a cena ainda nao tinha acabado. A musica tinha muito a ver com o momento, apesar de ser bem adolescente, lembro que a ultima vez que chorei com ela eu tinha 19 anos e tambem sofria de amor. Por um momento interrompi a cena, levantei o personagem e lhe disse: "coragem, homem, sei que esta pronto!". Mas ele nao estava. Entao, olhando para o relogio, ambos viram que ja tinham passado 20 minutos e nada tinha mudado. Em seguida abriram a porta e sairam juntos, a cena nao acabou, porem havia algo la fora chamando-os para caminhar.

terça-feira, 13 de março de 2012

Uma carta


Quando digo que sei o que é amor, é porque tenho pessoas ao meu lado para ensinar e aprender comigo.