sábado, 9 de maio de 2009

Minha graça



Eu lembro que naquela noite de tristeza a cidade estava em festa: fogos de artifício iluminavam o céu, luzes coloridas alegravam as ruas e a criançada festejava a presença do circo. Olhava toda aquela cena e pensei em me dar a oportunidade de arrancar qualquer sentimento ruim que existisse dentro de mim: vou ao circo.
Todas as atrações eram formidáveis: o malabarista brincava com facas, o equilibrista pedalava na bicicleta em um fio e entre outras atrações, mas ainda percebia que um enorme vazio me tomava, não via a graça de estar ali. O palco escureceu, luzes se concentravam em um determinado ponto e de repente me deparo com um susto de um palhaço rolando, eram em três, mas um em especial me deixou encantado, era você. Sentado na platéia coloquei a mão em meu peito e senti uma adrenalina de estar vivenciando aquele momento, ou talvez tivesse sido por ter te avistado, pois a cada movimento seu e a cada palavra sua dita meu sorriso se estendia. Eu olhava aquelas cores em seu rosto e por um instante fiquei a me perguntar se o azul dos seus olhos também teriam sido obra da aquarela. Foi então que você se aproximou de mim, entregou uma flor, e ao encostar o meu rosto para sentir o cheiro da margarida a única coisa que sinto foi um jato de água que saia de dentro da flor em minha direção, eu ri.
O espetáculo acabou, e levava comigo a felicidade de viver, de brincar com a vida e de saber aproveitá-la cada vez mais. Já distante olho para trás e me deparo com as cores do circo de, que pareciam mais iluminadas, cheio de tendas e luzes, e me viro para continuar o caminho, mas então encontro sua face diante da minha de forma súbita: olhei fixamente em seu rosto e ele estava sem aquelas cores, a não ser seus olhos, que continuavam cheio de vida e alegria. Eu te olhava de forma acanhada, e seu sorriso me trazia uma explosão de felicidade dentro do meu peito. Senti sua mão fazer carinho em meu cabelo deslizando em meu rosto ate chegar em minha mão e segura-la, meu coração palpitava acelerado e a única coisa que fiz foi me entregar, sem medo e sem dó, me dei a oportunidade de ter comigo a felicidade, e me dei a oportunidade da sorte de te ter ao meu lado, me dei a oportunidade de amar e tentar ser feliz.

11 comentários:

  1. Que texto bonito! Lembrei de minha infância e das tardes alegres no circo. Que bom que você encontoru o amor e se entregou - essa é a parte mais dificil.

    Gostei daqui, voltarei ;)

    ResponderExcluir
  2. calma, calma, meus textos nunca foram autobiograficos.
    ;)

    ResponderExcluir
  3. Os meus também não são! E eu não escrevi o comentário para você... Foi para seu personagem! ;)

    Eu estou no 1o período. Você também estuda lá?

    ;D

    ResponderExcluir
  4. nossa sanmy :|
    acho que nunca vi um texto tão bonito e claro.

    ResponderExcluir
  5. Sanmy, "que bom que vc encontrou o amor e se entregou" hehe falo nothing!

    Entããõ, texto realmente mto claro e belo! :D
    Apesar de você me achar muito mafioso, admiro e reconheço textos bem escritos! (e olha que entendo bem disso heim kkk)

    Parabéns pelo texto, porque sempre gosto dos textos que faz!

    ADOOOOREI O TEXTO, ADOREEEEEEEEI! ADOREEEEEEEEEEEEEEEI, ADOREEEEEEEEEEEEI!!!!

    auhahuahuahuahua

    ;)

    ResponderExcluir
  6. adorei a foto uhaeuuh
    mas hein, primeiro obg por ter me lembrado de passar aqui
    e, hum, legal.. ficou bem colorido seu texto. no final parece que todas as cores ficaram com vc e vc ficou feliz ou tentou ser feliz né.. ¬¬ huehuaeh textos não-autobiográficos. adoro uahhuuea

    ResponderExcluir
  7. é... na verdade meu personagem encontrou a felicidade em outra pessoa, já que antes não via graça em nada, ou talvez estivesse passando por um momento que não o proporcionava ver graça em nada. As cores não ficaram com o personagem, as cores pertencem à pessoa a qual meu personagem se apaixonou, já que o tal ser seria a felicidade que o personagem encontrou.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Sendo autobiográfico ou não, NÃO IMPORTA! O importante é que seus personagens estão felizes. A felicidade sempre é um momento que deve ser aproveitado ao máximo.
    Fico feliz por ler todas essas lindas histórias que você cria. Sempre soube que você tem um grande amor dentro de vc, e melhor ainda,é muito bom vê-lo canalizar esse amor em tudo que faz, fazendo de um simples texto, uma realização que a maioria da humanidade deseja: encontrar alguém para amar e ser feliz.
    ILU

    ResponderExcluir
  10. "Eu olhava aquelas cores em seu rosto e por um instante fiquei a me perguntar se o azul dos seus olhos também teriam sido obra da aquarela."


    morri com essa parte, bjs.
    ficou lindo :*

    ResponderExcluir
  11. Uau.. como vc escreve bem... ^^
    Adoro textos coesos... coisa dificil de ver ultimamente... =D
    Ja li alguns posts... mas resolvi comentar aki justamente por ter gostado tanto do texto...
    Seus textos sao bem "palpaveis", mas nesse eu pude realmente sentir cada palavra, cada cena, cada sentimento... ;D
    Enfim... perfeito!
    ^^

    ResponderExcluir