quinta-feira, 30 de julho de 2009


Quero viajar para um lugar bem distante, cheio de desconhecidos, que me olhem e me desconheçam.
Escolho viajar para um lugar frio, com neve, cheio de pinheiros, onde eu solte fumacinha pela boca. Desse jeito poderei me camuflar em roupas e assim ficará muito mais dificil das pessoas me desvendar, fazendo com que só se aproximem aqueles que realmente precisam de uma companhia, e não de mais uma companhia.
Pensei em usar um nome falso, mudar a cor e o corte do cabelo, me tornar o João, o Felipe, o Davi ou até mesmo o Junior, um outro alguém; mas isso se tornasse um erro, quem sabe a pessoa certa aparece logo na hora que me tornei a pessoa errada.
Mas mesmo assim, ainda prefiro ir para um lugar frio, me entocar em um iglo, olhar para o horizonte e só avistar a geada. Ficarei, dessa vez, sentado à esperar por alguém que me leve de volta para o nordeste, e queira sentir, junto à mim, o calor do verão.

6 comentários:

  1. Huum... Seu texto me deu saudade do frio da minha terra, mas só do frio... rs... Ainda bem que inventaram o ar condicionado... =P

    Nem sempre tornarmos outra pessoa vai fazer o efeito desejado, os pensamentos serão sempre os mesmo independente de que nome teremos... (; ... Mesmo que as vezes vejamos essa "fuga" como solução, o melhor e levantar a cabeça e enfrentar o problema de frente e se não for possível passar por cima dele. E se ainda assim não for possível acostumar com a dorzinha que ele causa... ^^

    ResponderExcluir
  2. hum, Me acompanha? Para o frio, para o longe, o desconhecido!
    Fuga sempre é bom e as vezes necessario, mas mais necessario do que a fuga é enfrentar
    àquilo que voce está fugindo :)

    ResponderExcluir
  3. Nem percebi que não te seguia! =D Agora sim!

    ResponderExcluir
  4. rapaz, por aqui não está como um dos melhores lugares não.

    Quero o gelo,, ver a neve, soltar fumaça pela boca, condeçar toda a água dentro de mim em vapor, só assim, me sentirei só... Porém sei que não quero isso. Como também sei que você não quer voltar ao Nordeste, muito menos ficar sentado esperando por algo.

    Abração San,
    saudades!

    ResponderExcluir