Autorretrato

Já eram duas e quarenta e três da manhã, deitado fico a lembrar dos meus momentos. Eu odeio todas aquelas horas em que o medo me tomava, que a angústia me vinha à tona, que sentia olhares me perseguindo e as respirações ofegantes. Dos instantes que procurei minha própria sombra, mas a única coisa que me restou foi a escuridão da noite, a água do mar e sua brisa. Momentos que passava em frente ao espelho olhando para aqueles olhos fixamente e me perguntava se eu queria ser aquilo que tinha me tornado, eu odeio todas aquelas horas. Olhando para meu quarto lembro dos cantos que me aconchegaram, das noites que me encolhia coberto por lençois, das lágrimas já derramadas e dos livros já arremessados.
Em meu retrato encima do criado-mudo vejo traços de um pequeno caminho percorrido, mas que muito me ensinaram. Sei que minhas noites perdidas aos prantos me deram forças para hoje passar noites sorrindo com amigos, os dias sozinhos me deixaram com forças para estar rodeado de pessoas, e as tardes que passei em minha cama pensando nos amores mal resolvidos me fizeram amar mais.
Então levo comigo o aprendizado das horas que fraquejei, hoje sinto-me mais forte, deixo minhas lágrimas para aquele passado triste, já que não posso tocá-las mais. Levo em mim a felicidade verdadeira, porque sei que nunca senti isso antes, no espelho vejo sorrisos, em mim a adrenalina de viver vem à tona, abraços calorosos me perseguem e gargalhadas me sondam. Sei que odeio todas aquelas horas, mas elas não foram o bastante para mim, levarei elas comigo guardada, pois nos momentos que fraquejar novamente usarei-as para aprender mais uma vez e assim um dia direi para o mundo minhas lições e tornarei lições para outros, e por fim me presentearei com um autorretrato e colocarei na parede do meu quarto para toda vez olhar para tal e ver que os traços da minha vida jamais se limitarão aos tracos dos meus olhos, dos meus sorrisos, pois no meu último dia irei pôr um fim em tudo e saberei que aprendi o bastante para chegar até o meu fim.

Comentários

  1. Os traços são marcados muito além de nossas rugas.

    Belo texto....e o fim nunca existe!


    http://aethereu-mare.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. mais olha só rapá! ele escreve^^

    ResponderExcluir
  3. E eu sei que vc tem um grande potencial!!!!

    ResponderExcluir
  4. Sanmy boy... eu digo que tudo, absolutamente tudo, o que vivemos e passamos são degraus rumo à felicidade.
    Mas nem por isso precisamos nos sentir menos felizes durante essa caminhada. Seus sorrisos, seus olhos e seu brilho sempre irão transparecer o momento pelo qual passa. E espero que seja sempre alegria!

    Abração

    ResponderExcluir
  5. Na verdade, tudo que passamos tem uma importância "ímpar". Nunca gostei de usar essa palavra, mas agora ela me foi única. Quando choramos, nos entristecemos ou nos sentimos fracos em alguma situação, não compreendemos que aquilo só veio para nos fortalecer. É verdade, você transcreveu isso em palavras, o que é muito bonito. Parabéns, eu vinha tentando fazer isso há tempos, mas você conseguiu com uma simplicidade muito maior que eu conseguiria.

    Ah! E que isso sirva para constar que eu não tenho absolutamente nada contra a sua pessoa - pelo contrário, passei a admirá-la um pouco mais depois desse texto.

    ResponderExcluir
  6. em particular gostei muito desse trecho: "(...)e por fim me presentearei com um autorretrato e colocarei na parede do meu quarto para toda vez olhar para tal e ver que os traços da minha vida jamais se limitarão aos tracos dos meus olhos...".
    Como sempre muito bom =P~ Do primeiro texto que li até esse hoje... Parabéns !

    ResponderExcluir
  7. Você escreve muito bem! =))
    Vou te favoritar no meu, certo?Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas